DISPENSA DO MENOR APRENDIZ

  Larissa Rizzi

A rigor, o desligamento do aprendiz só pode se dar do prazo final do contrato ou quando o aprendiz completar vinte e quatro anos (art. 433, caput da CLT), também chamada Rescisão a Termo. Nessas hipóteses, sendo um contrato por prazo determinado, são devidos, no caso de extinção, todas as verbas rescisórias previstas na legislação para referida forma de contratação: saldo de salário, 13º salário, férias proporcionais, férias vencidas (se houver) e FGTS.

Além da extinção pelo término do prazo, é possível a rescisão por:

  1.  desempenho insuficiente ou inadaptação do aprendiz;
  2.  falta disciplinar grave;
  3.  ausência injustificada à escola que implique perda do ano letivo; ou
  4.  a pedido do aprendiz.

Para efeito dessas hipóteses acima, deverão ser observadas as seguintes disposições:

A falta disciplinar grave caracteriza-se por quaisquer das hipóteses abaixo, previstas no art. 482 da CLT:

  •  ato de improbidade;
  •  incontinência de conduta ou mau procedimento;
  •  negociação habitual por conta própria ou alheia sem permissão do empregador, e quando constituir ato de concorrência à empresa para a qual trabalha o empregado, ou for prejudicial ao serviço;
  •  condenação criminal do empregado, passada em julgado, caso não tenha havido suspensão da execução da pena;
  •  desídia no desempenho das respectivas funções;
  •  embriaguez habitual ou em serviço,
  •  violação de segredo da empresa;
  •  ato de indisciplina ou de insubordinação;
  •  abandono de emprego;
  •  ato lesivo da honra ou da boa fama praticado no serviço contra qualquer pessoa, ou ofensas físicas, nas mesmas condições, salvo em caso de legítima-defesa, própria ou de outrem;
  • ato lesivo da honra ou da boa fama ou ofensas físicas praticadas contra o empregador e superiores hierárquicos, salvo em caso de legítima defesa, própria ou de outrem;
  • prática constante de jogos de azar;
  •  prática, devidamente comprovada em inquérito administrativo, de atos atentatórios à segurança nacional.

Já na hipótese de ausência injustificada à escola, deverá ser comprovada por declaração da instituição de ensino.
No caso de rescisão por desempenho insuficiente ou inadaptação do aprendiz, é obrigatória a manifestação da entidade que oferece o programa de aprendizagem. (art. 29, I, Decreto nº 5.598/05).
Ocorrendo qualquer dessas hipóteses, é possível a recisão antecipada e o aprendiz não fará jus às indenizações previstas nos artigos 479 e 480 da CLT, tampouco ao aviso prévio e multa rescisória. Também não terá direito ao13º salário e férias proporcionais e o levantamento do FGTS.

Todavia, fora dessas situações, a jurisprudência têm entendido ser inadmissível o desligamento do aprendiz, porque parece ter havido um erro na redação do texto legal do § 2°, do art. 433, da CLT, deixando de fazer referência à despedida do aprendiz por hipóteses sem justa causa.
Há, entretanto, posição minoritária de quem entende ser possível a extinção antecipada do contrato de aprendizagem, por iniciativa do empregador, sem justa causa , sendo devido, nessa hipótese, o aviso prévio e a multa rescisória de 40% de FGTS, além das verbas rescisórias devidas, e a indenização do art. 479 da CLT.
A orientação do Ministério do Trabalho e Emprego por sua vez, só admite a rescisão antecipada sem justa causa em caso de morte do empregador, falência ou encerramento das atividades da empresa, hipóteses em que terá direito, além das verbas rescisórias devidas, à indenização do art. 479 da CLT (Parecer/ESC/CONJUR/MTE/Nº 06/2003).
Diante desse quadro, aconselhamos o desligamento somente se realmente houver falta grave, desempenho insuficiente ou inadaptação do aprendiz (atestado pela entidade que oferece o programa), se houver ausência injustificada à escola ou se o próprio aprendiz fizer o pedido de desligamento. Ou seja, somente nas hipótese do artigo 433 da CLT. Fora dessas hipóteses, a empresa pode ter problemas. 
Se, contudo, a empresa quiser correr o risco de desligá-lo sem justa causa, o mais adequado será pagar as verbas rescisórias (férias, 13ºs etc), o aviso prévio e a multa rescisória de 40% de FGTS, mais a indenização do artigo 479 da CLT: metade da remuneração a que teria direito até o final do contrato.
É bom ressaltar, de qualquer forma que, em qualquer hipótese de  extinção ou rescisão antecipada do contrato de aprendizagem, o empregador deverá contratar novo aprendiz e matriculá-lo em curso de aprendizagem,  sob pena de infração ao art. 429 da CLT.
Ainda deve-se atentar que o pedido de demissão ou o recibo de quitação da rescisão do  contrato firmado por aprendiz com mais de um ano de serviço, só será válido com a assistência do respectivo Sindicato ou perante a autoridade do Ministério do Trabalho, devendo sempre ser homologado por uma autoridade competente.

Aind, nos termos do art. 11, I e II, da IN SRT/MTE nº 03, de 21 de junho de 2002, o empregador deve efetuar o pagamento das verbas rescisórias do aprendiz até o primeiro dia útil imediato ao término do contrato ou até o décimo dia, contado da data da notificação da demissão, no caso de ausência de aviso prévio, indenização deste ou dispensa do seu cumprimento.

This entry was posted in Artigos. Bookmark the permalink.